Produção sobre operações de paz

Produção brasileira/brasilianista sobre operações de paz e assuntos relacionados

Última atualização: mar.2023

ABDENUR, A. E. (2015). Brazil as a rising power: Coexistence through universalism. In:  CONING, C.; MANDRUP, T.; ODGAARD, L. The BRICS and Coexistence: An alternative vision of world order. Abingdon & New York: Routledge, p. 49-74.

ABDENUR, A. E. (2016) Rising Powers in Stormy Seas: Brazil and the UNIFIL Maritime Task Force. International Peacekeeping, 23 (3), p. 389-415.

ABDENUR, A. E. (2017). What Can South-South Cooperation do for Inhternational Peace? Brazil’s Role in Haiti and Guinea-Bissau. International Negotiation, 22(3), p 451-472. 

ABDENUR, A. E.; CARVALHO, G. (2017). Prevention at the UN. In: Global Peace Operations Review. Annual Compilation 2016. New York: Center on International Cooperation.

ABDENUR, A. E.; HAMANN, E. P. (2017). O Futuro das Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas: uma perspectiva brasileira. Nota Estratégica 25. Rio de Janeiro: Instituto Igarapé.

ABDENUR, A. E.; HAMANN, E. P. (2017). The Future of United Nations Peacekeeping Operations from a Brazilian Perspective. Strategic Note 25. Rio de Janeiro: Igarapé Institute.

ABDENUR, A. E.; MARCONDES NETO, D. (2014) Rising Powers and the Security-Development Nexus: Brazil’s Engagement with Guinea-Bissau, Journal of Peacebuilding & Development, 9(2), p. 1-16.

ABDENUR; A. E.; KUELE, G.; FOLLY, M.; MACEDO, G. (2017). O Brasil e a MINUSTAH: lições a partir da literatura acadêmica. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 101-111.

AGUILAR, S. L. C. (1999). A missão da ONU para a transição da administração na Eslavônia Oriental. A Defesa Nacional, v.785, p.65 – 78.

AGUILAR, S. L. C. (2000). Kosovo: a Intervenção da OTAN e a missão de paz da ONU. A Defesa Nacional, v.787, p.39-59.

AGUILAR, S. L. C. (2001) A Política Externa Brasileira e a Participação em Missões de Paz. A Defesa Nacional, v.790, p.77 – 102.

AGUILAR, S. L. C. (2002). Forças de Paz do Brasil: balanço In: BRIGAGÃO, C.; PROENÇA Jr, D. Brasil e o Mundo: Novas Visões.1ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, p. 363-446.

AGUILAR, S. L. C. (2003). A Guerra da Iugoslávia: uma década de crises nos Bálcãs. São Paulo: Usina do Livro.

AGUILAR, S. L. C. (2005). Brasil em Missões de Paz. São Paulo: Usina do Livro.

AGUILAR, S. L. C. (2011). A Participação Sul-Americana nas Operações de Paz da ONU – Algumas Considerações. Security and Defense Studies Review, v.12, p.99 – 116.

AGUILAR, S. L. C. (2012). Segurança Pública e as Operações de Construção da Paz Pós-Conflitos Armados. Estudos de Sociologia (São Paulo), v.17, p.429 – 445.

AGUILAR, S. L. C. (2014). Gerenciamento de Crises: o terremoto no Haiti. São Paulo – SP: Porto de Ideias.

AGUILAR, S. L. C. (2014). Reforma do Setor de Segurança: teoria, prática e crítica. São Paulo – SP: Porto de Ideias.

AGUILAR, S. L. C. (2015). “A participação do Brasil em Operações de Paz: passado, presente, futuro”. Brasiliana, v.3, p.113-141.

AGUILAR, S. L. C. (2015). “Operações de Paz: novos mandatos e suas implicações para os países contribuintes com tropas”. História e Cultura, v.4, p. 254-276.

AGUILAR, S. L. C. (2016). A coordenação civil-militar nas operações de paz e o Brasil: algumas considerações. Revista Brasileira de Estudos de Defesa, v.3.

AGUILAR, S. L. C. (2016). A Situação Jurídica das Operações de Paz das Nações UnidasRevista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, n. 68, p. 685 – 706, jan./jun.

AGUILAR, S. L. C. (2017). “Security Mechanisms in the Global South: Asia, South America and Africa in Comparison”. In: Reconfiguration of the Global South: Africa, Latin America in the ‘Asian Century’. Abingdon – United Kingdon: Routledge, p. 83-103.

AGUILAR, S. L. C. (2018). A complexidade dos conflitos contemporâneos na África: algumas reflexões. Unesp Ciência. São Paulo – SP, p.10 – 13.

AGUILAR, S. L. C. (2018). Conflitos contemporâneos na África: Ferramentas e Técnicas Auxiliam a Análise. Unesp Ciência. São Paulo – SP, p.7 – 8.

AGUILAR, S. L. C. (2019). Brazil-India relations and the UN peacekeeping operations In: VASQUEZ, K. C. Brazil-India relations: beyond the 70 years. 1 ed. Brasília: FUNAG, p. 99-110.

AGUILAR, S. L. C. (2019). Ethnic Conflicts and Peace-Building In: RATUVA, Steven. The Palgrave Handbook of Ethnicity.1 ed. Cingapura: Palgrave Macmillan, p. 1-19.

AGUILAR, S. L. C. (2019). European Union Military Operations: The use of force in the Central African Republic, Chad and the Democratic Republic of the Congo. In: Steven Ratuva; Radomir Compel; Sergio Aguilar. (Org.). Guns & Roses: Comparative Civil-Military Relations in the Changing Security. 1ed. Cingapura: Palgrave Macmillan, p. 257-276.

AGUILAR, S. L. C. (2019). O conflito e a construção do Estado no Timor Leste. Marília/São Paulo: Oficina Universitária/Cultura Acadêmica.

AGUILAR, S. L. C. Marquezi, M. B. (2017). As Missões de Paz Híbridas: a UNAMID em DarfurRelações Internacionais no Mundo Atual, v. 1, n. 23, Uni Curitiba.

AGUILAR, S. L. C.; ALONSO, I. (2018). Os Desafios da Política Externa e Segurança no Século XXI. Marília: Cultura Acadêmica.

AGUILAR, S. L. C.; BRAGA, M. (2018). Refugiados e conflitos internacionais: o caso da região dos grandes lagos africanosRevista Videre (on line), v.10, p.205-223. 

AQUILAR, S. L. C.; DE ÁVILA, J. H. F. (2020). Proteção de civis na operação de paz da ONU no Sudão do Sul: o emprego conjunto de militares e policiais. Diálogos, 24(2), p. 397-416.

AGUILAR, S. L. C.; SANTOS, J. T. (2018). O Uso de Veículos Aéreos não Tripulados (Vants) na Operação de Paz da ONU na República Democrática do CongoConjuntura Austral. Revista do Núcleo Brasileiro de Estratégia e Relações Internacionais da UFRGS, v.9, p.46-61.

AGUILAR, S. L. C.; DOS SANTOS, J. T. (2020). O uso de Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) nas operações de paz da ONU: o caso da MINUSMA. Carta Internacional, 15(2), p. 83-110.

ALBUQUERQUE, B. M. (2019). A América do Sul e as operações de paz: algumas considerações sobre a atuação durante e pós-guerra fria. Revista Hoplos, 3 (4), p. 13-26.

ALSINA JUNIOR, J. P. S. (2017). Grand Strategy and Peace Operations: the Brazilian Case. Rev. Bras. Polít. Int. [online], 60 (2).

ANDRADE, I.; HAMANN, E. e SOARES, M (2019). A Participação do Brasil nas Operações de Paz das Nações Unidas: evolução, desafios e oportunidadesTexto para Discussão 2442. Brasília: IPEA.

ARAÚJO, W. L (2015). A Diplomacia Brasileira no Conselho de Segurança da ONU: discussões políticas sobre as operações de paz da ONU no Estado haitiano. Brasiliana: Journal for Brazilian Studies, 3(2), p. 56-86.

BARRETO, J. P. B; ALBUQUERQUE, B. M. (2019). Os diferentes interesses nas operações de paz: casos Canadense e Brasileiro. Conjuntura Internacional, 16(1), 10.

BARROS, C., MORAIS, C.; DAHER, R. As Peacekeeping Operations (PKOS) e o caso de Ruanda. Fronteira: Revista de iniciação científica Em Relações Internacionais, 7(14), 47-63.

BARROS, F. A; COSTA, R. A; FERREIRA, R.T. (2019). Construindo a paz: a engenharia do Exército como elemento de smart power do Brasil na MINUSTAH. Conjuntura Austral, 10 (51), p. 61 – 81.

BASTOS, E. C. S. (2012). Blindados no Haiti – MINUSTAH: Uma experiência real. Juiz de Fora: UFJF/Defesa.

BEIRÃO, A. P. (2020). Qualificação Jurídica dos Integrantes de Operações de Manutenção de Paz. Revista Interdisciplinar de Direito, 17 (2), p. 59-76.

BERNARDES, G. R. (2020).  A cobertura institucional em missões de paz: relato de experiência jornalística. Revista Silva, v. 4. p. 154-170.

BEZERRA, R. (2019). Missão Haiti: 7 lições de liderança. Barueri/SP: Figurati.

BIGATÃO, J.P. (2014). Operações de paz da ONU: a década de 1990 e a crise de responsabilidades. IN: MATIJASCIC, Vanessa B. (Org.). Operações de manutenção de paz das Nações Unidas: reflexões e debates. São Paulo: Ed. UNESP.

BLANCO, R.  (2020). Peace as Government: The Will to Normalize Timor-Leste. London: Lexington Books.

BLANCO, R. (2015). The UN peacebuilding process: an analysis of its shortcomings in Timor-Leste. Rev. bras. polít. int. [online], 58 (1), p.42-62.

BLANCO, R. (2017). Normalizing abnormals in the international society: peace operations, Foucault and the English School. Relações Internacionais (R:I), (53), 83-107.

BLANCO, R. (2017). The Brazilian Engagement with Peace Operations: a Critical Analysis. Rev. bras. polít. int., Brasília, v. 60, n. 2, e006.

BORGES, J. M.; GOMES, R. C. (2004). Notas sobre as missões de paz da ONU. In: BRIGAGÃO, Clóvis; PROENÇA JÚNIOR, Domício e. Panorama Brasileiro de Paz e Segurança. São Paulo: Editora Hucitec.

BRAGA, C. C. V (2012). Uso da força nas operações de paz: solução ou problema? In KENKEL, K. M.; MORAES, R. F. (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação. Brasília: IPEA, 49-68.

BRAGA, C. C. V. (2017). Os desafios iniciais da participação das Forças Armadas Brasileiras na MINUSTAH. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 36-43.

BRAGATTI, M. C.; Costa, A. F. (2018). A participação das nações da América do Sul nas operações de paz da ONU. Revista de Estudos Internacionais, 9(2).

CALL, C.; ABDENUR, A. E. (2017) “A ‘Brazilian Way’? Brazil’s approach to peacebuilding” In Call, C.; de Coning, C (Eds) Rising Powers and Peacebuilding: Breaking the Mold? New York: Springer.

CAMPOS, L. M. C. L. (2019). A participação brasileira nas missões de manutenção da paz da onu e os posicionamentos do novo governo. Revista de Estudos Internacionais, 10 (3).

CAMPOS, M. B. (2015). A projeção do poder do Brasil como força de paz nas Nações Unidas (ONU) na África. Coleção Meira Mattos, v. 9 n. 34.

CAMPOS, P. D. R. (2012). Gênero ou feminismo? As Nações Unidas e as políticas de gênero nas operações de paz. In KENKEL, Kai Michel; MORAES, Rodrigo Fracalossi (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação.Brasília: IPEA, p. 69-92.

CÂNDIDO, J. (2009). Policing in conflict zones: military or policing tasks? Initiatives and challenges. In: HAMANN, E.P. (org.) (2009). Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p. 59-62.

CARDOSO, A. J. S. (1998). O Brasil nas Operações de Paz das Nações Unidas. Brasília: Instituto Rio Branco, Fundação Alexandre de Gusmão, Centro de Estudos Estratégicos, 168 pp.

CARRERA Neto, S. MORAIS, M. (2017). Análise da participação policial militar brasileira na MINUSTAH. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 66-74.

CARVALHO, S. (2020). A Evolução das Operações da ONU – Limitações do paradigma liberal. Cadernos de Relações Internacionais/ PUC-Rio, v. 2, p. 3-31.

CARVALHO, T. L. de. (2019). The “Left Turn” and the Latin American countries’ discourses about the UN Peace Operations around the world. Conjuntura Internacional, 16(1), 2.

CARVALHO, V. M. (2017). A música brasileira na MINUSTAH – a arte do soldado como diplomacia. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 44-50.

CARVALHO, V., VILLA, R., RODRIGUES, T., & BREITENBAUCH, H. (2015). Brazilian Participation in United Nations Peacekeeping Operations. Brasiliana – Journal for Brazilian Studies, 3(2), p. 1-5.

CASARÕES, G. (2012). Identidade nacional, política externa e guerra: a “Operação Paz para a Galileia” revisitada. Carta Internacional, 7(2), p. 99-116. http://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta/article/view/60

CASTRO, C.; MARQUES, A. (2019). Missão Haiti: a visão dos Force Commanders. Rio de Janeiro: FGV Editora.

CAVALCANTE, F. (2009). Sucesso ou fracasso? Uma avaliação dos resultados da MINUSTAH. e-Cadernos CES [Online], 06

CAVALCANTE, F. (2010). Rendering peacekeeping instrumental? The Brazilian approach to United Nations peacekeeping during the Lula da Silva years (2003-2010). Rev. bras. polít. int., Brasília, 53 (2), p. 142-159.

CAVALCANTE, F. (2010). As origens conceituais da construção da paz das Nações Unidas. Univ. Rel. Int., Brasília, 8(2), p. 1-22.

CAVALCANTI, C. A. M. (2007). Angola e Moçambique: as operações de paz. Publicação: Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI).

CAVALCANTI, C. A. M. (2007). O direito internacional humanitário e as operações de paz: a interação entre os militares e as agências de assistência humanitária. DEFESA NACIONAL – ISSN: 0011-7641.

CAVALCANTI, C. A. M. (2014). Os 10 anos da MINUSTAH e o CCOPAB. Revista Brasileira de Estudos Estratégicos. Instituto de Estudos Estratégicos (INEST). Universidade Federal Fluminense (UFF). PP. 105-130.

CELESTINO, S.; NEVES, A. N (orgs). (2020). Missões de Paz: Teoria e Dimensão Humana. Curitiba: APPRIS, 239 p.

CEPIK, M.; KUELE, G. (2016). Inteligência em Operações de Paz da ONU: Déficit Estratégico, Reformas Institucionais e Desafios Operacionais. Dados, 59(4), p. 963-993.

CERQUEIRA, B. S. (2014). Coordenação Civil-Militar na Fase de Transição de Operações de Paz Multidimensionais: A Experiência do BRABAT 18 no Haiti. Military Review, 69, (4), 14-27.

CEZNE, E.; HAMANN, E.P. (2016). Brazilian Peacekeeping: Challenges and Potentials in Turbulent Landscapes at Home and InternationallyPRIO Policy Brief, 22. Oslo: PRIO.

CLAUHS, A. (2013). Os impactos da formação multiétnica na liderança militar brasileira em missões de paz. Coleção Meira Mattos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 29, p. 99-111, maio/ago. 2013.

COLARES, L. S (2012). Operações de paz: a participação brasileira no ponto de inflexão do Timor-Leste. In KENKEL, Kai Michel; MORAES, Rodrigo Fracalossi (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação. Brasília: IPEA, p. 269-289.

CONING, ABIOLA, HAMANN, DWAN (2017). “The Large Troop-Contributing Countries”. English. In: de Coning, Aoi and Karlsrud (eds.), UN Peacekeeping Doctrine in a New Era: Adapting to Stabilisation, Protection and New Threats. Routledge.

COSTA, L. C. da (2009). “Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Post-Conflict Situations and in United Nations Peace Operations”. In: HAMANN, E.P. (org.) (2009). Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p. 19-22.

COSTA, R. P. (2008). Avaliação das percepções e necessidades multiculturais sentidas pelos militares que participaram de missões de paz. CMM/PADECEME 2º Quadrimestre de 2008. – Coleção Meira Mattos: revista das ciências militares, n. 18.

COSTA, W. T. A. (2013). O trabalho emocional dos militares do Exército Brasileiro nas missões de paz das Nações Unidas. Coleção Meira Mattos: revista das ciências militares. V. 7, n. 29.

CRUZ, C. A. S. (2009). “Cooperation Between Civilians and the Military – UN Level”. In: HAMANN, E.P. (org.) (2009). Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p. 23-30.

CUNLIFFE, P.; KENKEL K. M. (2016). Rising powers and intervention: contested norms and shifts in global order. Cambridge Review of International Affairs, 29 (3), p. 807-811.

DE ÁVILA, J. H. F.,; GOLDONI, L. R. F. (2019). A coordenação do trabalho da UNMISS e das agências humanitárias na mitigação da crise humana no Sudão do Sul. Carta Internacional, 14(2).

DE QUEIROZ, F. A.; DE BARROS, T. de C. (2018). Uma Abordagem Cognitiva sobre o Haiti: o papel do ambiente psicológico na construção de imagens no contexto da MINUSTAH (2004-2016). Revista de Estudos e Pesquisas Sobre As Américas, 12(3), 139-174.

DE SOUZA, G. (2015). MONUSCO: a atuação brasileira em operações de paz robustas. Brasiliana – Journal for Brazilian Studies, 3(2), 169-196.

DINIZ, E. (2005). O Brasil e a MINUSTAH. Security and Defense Studies Review, 5 (1), p. 90-108.

DINIZ, E. (2006). O Brasil e as Operações de Paz, In: OLIVEIRA, H. A. de O. & LESSA, A. C., Eds. Relações Internacionais do Brasil: Temas e Agendas. São Paulo: Saraiva, p. 303-337.

DONADELLI, L. M.; PAULA, L. D. de. (2019). Preparando o caminho para a paz? O uso da força em Operações de paz das Nações Unidas. Conjuntura Internacional, 15(3), 6.

DOS SANTOS, R. O. (2019). A contribuição brasileira para as Operações de Paz das Nações Unidas no século XXI: do envio de tropas à cooperação normativa e doutrinária. Conjuntura Internacional, 16(1), 41.

DOS SANTOS, R. O. (2019). Developing Countries and UN Peacebuilding: Opportunities and Challenges. E-international Relations, 25 fev 2019.

DOS SANTOS, R. O. (2019). Liberal Peace, Peacebuilding and UN Peacekeeping Rationality (Book Review). Journal of Intervention and Statebuilding.

DOS SANTOS, R. O. (2020). Tecnologia, Peacekeeping e Combate às Ameaças Assimétricas: oportunidades e desafios em contextos complexos e instáveis. In: Centro de Operações de Paz de Caráter Naval (Org.). Operações de Paz de Caráter Naval: ameaças e desafios para a paz o mar. Rio de Janeiro: Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo, p. 24-35.

DOS SANTOS, R. O.; DOS SANTOS JUNIOR, S. V. (2020). Apresentação editorial. Cadernos de Relações Internacionais. v.2020, p.1-7.

DUARTE, C. S. (2009). Civilian-Military Cooperation in Haiti – Challenges, Responses and Perspectives. In: HAMANN, E.P. (org.) (2009). Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p.31-38.

DUARTE, G. M. M. B. R., ANDRADE, L. C. de S., SOUZA, M. de A. C., & BALESTRINI, A. (2019). “It may look like war, but it’s peacekeeping”: a MINUSMA e o Processo de Paz no Mali. Conjuntura Internacional, 16(1), 28.

DUARTE, G. M. M. B. R.; DOS SANTOS, R. O. (2019). Posfácio – 70 anos das operações de paz das Nações Unidas: balanços e perspectivas. Conjuntura Internacional, 16(1), 55.

DUARTE, G. R. (2013). Crise no Mali: as origens do conflito e os entraves para a resolução. Conjuntura Internacional, Belo Horizonte, v. 10, n. 1, p.7-14.

DUTRA, J. V. P (2014). Representações estéticas do sublime e a UNPROFOR: uma luz sobre a Carta da ONU e a autorização do uso da força no Pós-Guerra Fria. Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD, Dourados, v. 2, n. 4, p. 336-366.

FAGANELLO, P. L. F. Operações de manutenção da paz da ONU: de que forma os direitos humanos revolucionaram a principal ferramenta internacional da paz. 1 ed. Brasília: FUNAG, 2013.

FARIAS, R.; MARTINS, R. P. (2019). Capacetes Azuis brasileiros no Haiti: instrumento de smart power para a política externa do Brasil? Revista Brasileira de Estudos de Defesa, v.6, n.1.

FERNANDES, R. C. (2015). Viva Rio no Haiti: lições aprendidas, pelo sim, pelo não e o talvez. In: HAMANN, E. P. (2015). Brasil e Haiti: reflexões sobre os 10 anos de missão de paz e o futuro da cooperação pós-2016. Edição especial (Coletânea de Artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé.

FERNANDES, R. C. (2017). Respeito e honra ao Haiti. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 112-117.

FERREIRA, S. de S.; MIGON, E. X. F. G. (2007). A experiência de observador militar da ONU no Saara Ocidental. Conjuntura Austral, [S.l.], v. 8, n. 39-40, p. 24-43.

Fontoura, P. R. C. T. (1999). Brasil e as Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas. Brasília: FUNAG.

FONTOURA, P. R. C. T. (2009). Brasil: 60 Anos de operações de paz. Rio de Janeiro: Departamento do Patrimônio Histórico e de Documentação da Marinha do Brasil.

FONTOURA; P. R. C. T.; UZIEL, E. (2017). A MINUSTAH, o Brasil e o Conselho de Segurança das Nações Unidas. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 9-15.

FORTES, A. R. (2019). As operações de paz da ONU como um mecanismo de neoliberalismo disciplinar: O caso de Angola (1989-2002). Conjuntura Internacional, 15(3), 28.

FREITAS, J. S.; LACERDA, J. M. A. F (2016). A mediação facilitadora das organizações internacionais na resolução de conflitos: Uma análise da atuação da ONU e a da UA no conflito entre o Sudão e o Sudão do Sul. Relações Internacionais (R:I), (51), 89-106.

GAMA, C.F. (2016). Após a guerra, estabilidade? Mudanças nas operações de paz da ONU (1992-2000). Jundiaí: Paco editorial.

GIANNINI, R. A.; COSTA, I. V. F. (2017). A incorporação de uma perspectiva de gênero pelo Brasil na MINUSTAH. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 75-84.

GIULIANA, D. (2008). Expedição Haiti: histórias de militares brasileiros em missões de paz. São Paulo: Baraúna.

GIULIANA, D.; LEONI, N. D. (2010). Haiti, uma lição de vida. São Paulo: Baraúna.

GOMES, A. T. (2009). Nation-building e segurança internacional: Um debate em construção. Contexto Internacional, 31(2), 285-318.

GOMES, A. T. (2014). Da paz liberal à virada local: avaliando a literatura crítica sobre peacebuilding. Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD, Dourados, 2 (4), p. 46-76.

GOMES, A. T.; BRAGA, L. M. (2020). Abuso e exploração sexual em operações de paz: o caso da MINUSTAH. Revista de Estudos Feministas, 28(3), p. 1-14. 

GOMES, M. S. (2016). Analysing interventionism beyond conventional foreign policy rationales: the engagement of Brazil in the United Nations Stabilization Mission in Haiti (MINUSTAH). Cambridge Review of International Affairs. v.1, p.1 – 18.

GOMES, M. S.; Galoumian, V (2015). United Nations Support Mission in Haiti (UNSMIH) In: The Oxford Handbook of United Nations Peacekeeping Operations.1 ed. Oxford: Oxford University Press, v.1, p. 547-554.

GONÇALVES, T., VALANDRO, C., & DALALANA COBERLLINI, M. (2013). Operações de paz multidimensionais: o estado liberal-democrático como nexo entre o desenvolvimento e a segurança humana. Revista Jovens Pesquisadores, 3(1).

GOULART, F. R. (2017). As Forças Armadas brasileiras no Haiti: impressões sob as perspectivas estratégica e operacional. Doutrina Militar Terrestre em revista, out a dez 2017, edição temática “Brasil no Haiti: um caso de sucesso (2004-2017)”.

GOULART, F. R. (2021). Blue Helmets, Armed Groups, and Peace at Stake: Does Combat Motivation Matter for Robust Peacekeeping to Succeed?. International Peacekeeping, 28:1, 30-51.

GOULART, F. R. (2022). Legitimacy of using force to keep peace: implications of the blue helmets’ perceptions for the success of robust peacekeeping operations. Brasília, Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília.

GUERRA, L.; BLANCO, R. (2017). MINUSTAH como Missão Civilizatória: Análise da Política Internacional para a Estabilização do Haiti. Revista de Estudos Internacionais. 8(3), 259-275.

GUERRA, L.; BLANCO, R. (2018). A Construção da Paz no Cenário Internacional: Do Peacekeeping Tradicional às Críticas ao Peacebuilding Liberal. Carta Internacional, 13(2), p. 5-30.

HAMANN, E. P. (2011). Latin America’s Involvement in United Nations Peace Operations and Brazil’s Engagement as a Key Player. In: Latin America and Peace Operations: Partners and Perspectives. Canada. The Pearson Papers, volume 13.

HAMANN, E. P. (2012). O envolvimento de civis em contextos pós-conflito: oportunidade para a inserção internacional do Brasil. In KENKEL, Kai Michel; MORAES, Rodrigo Fracalossi (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação. Brasília: IPEA, p. 299-323.

HAMANN, E. P. (2015). Reforma do Conselho de Segurança: visão de mundo e narrativas do BrasilMilitary Review, out-dez 2015.

HAMANN, E. P. (2016). “A Força de uma Trajetória: o Brasil e as operações de paz da ONU (1947-2015)“. Military Review, jun-set.2016.

HAMANN, E. P. (2017). À Margem do Perigo: preparo de civis brasileiros para atuação em países instáveis. Nota Estratégica 27. Rio de Janeiro: Instituto Igarapé.

HAMANN, E. P. (2018). “A participação da América Latina e Caribe nas operações de paz da ONU“. Revista Diálogos – Edição Especial.

HAMANN, E. P. (2018). “Brasil sedia mega simulação internacional sobre operações de paz”. eBlog – Blog do Exército Brasileiro, 26 abr. 2018.

HAMANN, E. P. (2019). “O Brasil e as Operações de Paz da ONU: a trajetória até a MINUSTAH“. In: Carlos Chagas Vianna Braga; Adler Cardoso Ferreira. (Org.). 13 anos do Brasil na MINUSTAH: lições aprendidas e novas perspectivas. Rio de Janeiro: Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo, v. 1, p. 24-27.  

HAMANN, E. P.; FERNANDES, R. C. (2009). Multidimensional Peace Operations and Post-Conflict Situations: The ‘Civil-Police-Military Predicament’. In: HAMANN, E.P. (org.) (2009). Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p. 13-18.

HAMANN, E. P.; GARBINO, H; FOLLY, M. (2017). Confiança em desenvolvimento: o Brasil e os projetos de impacto rápido. Artigo Estratégico 24. Rio de Janeiro: Instituto Igarapé.

HAMANN, E. p.; GIANNINI, R. A.; PEREIRA, P.A. (2020). “Mulheres Brasileiras em Missões de Paz: a coragem em dados e relatos”. Artigo Estratégico 44. Instituto Igarapé.

HAMANN, E. P.; JUMPERT, M. G. (2019). “Brazil’s Evolving ‘Balancing Act’ on the Use of Force in Multilateral Operations: From Robust Peacekeeping to ‘Responsibility While Protecting’”. In: ESTEVES, P.; JUMPERT, M.; CARVALHO, B. (Eds.), “Status and the Rise of Brazil – Global Ambitions, Humanitarian Engagement and International Challenges”. Chapter 8. Palgrave. p. 153-193.

HAMANN, E. P.; MIR, W. (2019). Tempo de reengajar: o Brasil e as operações de manutenção da paz da ONU. Artigo Estratégico 43. Instituto Igarapé.

HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C.A.R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017): percepções, lições e práticas relevantes para futuras missões. Rio de Janeiro: Instituto Igarapé e Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB).

HARIG, C.; KENKEL, K.M. (2017) Are rising powers consistent or ambiguous foreign policy actors? Brazil, humanitarian intervention and the ‘graduation dilemma’. International Affairs, 93 (3), p. 625–641.

HERMANN, B. (2009). Strengthening civil-military cooperation with the UN system – what reform is required?, In: HAMANN, E. P. (org.) Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p. 149-153.

HIRST, M. (2009). South American Intervention in Haiti. In: HAMANN, E. P. (org.) Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p.101-109.

HIRST, M.; LLENDERROZAS, E. (2008). La Dimensión Política de la Presencia en Haití: Los Desafíos para El ABC+U, published at FLACSO/Argentina, IDRC.

HIRST, M.; NASSER, R. M. (2014). Brazil’s involvement in peacekeeping operations: the new defence-security foreign policy nexus. Oslo: Norwegian Peacebuilding Resource Centre.

IDE, D. M (2009). O processo de paz e o peacekeeping das Nações Unidas no sul do Sudão: um olhar sobre as esferas política e de segurança pública. Cadernos de Relações Internacionais, vol.2, n.2, 2009.

KAWAGUTI, L. (2006). A República Negra: histórias de um repórter sobre as tropas brasileiras no Haiti. São Paulo: Globo.

KAWAGUTI, L. (2015). A tensa relação entre militares e Jornalistas no início da missão no Haiti. In: HAMANN, E. P. (2015). Brasil e Haiti: reflexões sobre os 10 anos de missão de paz e o futuro da cooperação pós-2016. Edição especial (Coletânea de Artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé.

KEMER, T. P.; EUGENIO, A.; BLANCO, R. (2016). A construção da paz em um mundo em transformação: o debate e a crítica sobre o conceito de peacebuilding. Revista de Sociologia e Política, 24(60), p. 137-150.

KENKEL K. M.  (2011). Interesses e identidade na participação do Brasil em operações de paz. Revista Tempo do Mundo, v. 3, p. 9-35.  

KENKEL K. M. (2010). South America’s Emerging Power: Brazil as Peacekeeper. International Peacekeeping, 17(5), p. 644-661.

KENKEL K. M. (2010). Stepping out of the Shadow: South America and Peace Operations. International Peacekeeping, 17(5), p. 584-597.

KENKEL K. M. (2012). Armed Forces and Internal Missions: the European Context. International Security: a European-South American Dialogue, v. 9, p. 59-72.

KENKEL K. M. (2013). Five generations of peace operations: from the “thin blue line” to “painting a country blue”. Revista Brasileira de Política Internacional, 56(1), p. 122-143.  

KENKEL K. M. (2015). Multilateralism and Concepts of Security in South America. International Studies Review, 17 (1), p. 150–152.

KENKEL K. M. (2019).  Southern democracies and the Responsibility to Protect: perspectives from India, Brazil and South Africa. International Affairs, 95 (1), p. 215–217.

KENKEL K. M. (2020). Cultures of Security, the Liberal Peace, and the Future of the United Nations. Journal of Intervention and Statebuilding, 14 (1), p. 139-144.  

KENKEL K. M.; De Rosa, F. (2015). Localization and Subsidiarity in Brazil’s Engagement with the Responsibility to Protect. Global Responsibility to Protect, 7(3-4), p. 325-349.

KENKEL K. M.; Destradi, S. (2019). Explaining emerging powers’ reluctance to adopt intervention norms: normative contestation and hierarchies of responsibility. Revista Brasileira de Política Internacional, 62(1), e002. Epub. https://dx.doi.org/10.1590/0034-7329201900102

KENKEL K. M.; Martins, M. T. (2016). Emerging Powers and the Notion of International Responsibility: moral duty or shifting goalpost?. Brazilian Political Science Review, 10(1), e0003. Epub.

KENKEL K. M.; Stefan, C. G. (2016). Brazil and the Responsibility While Protecting Initiative: Norms and the Timing of Diplomatic Support. Global Governance: A Review of Multilateralism and International Organizations, 22(1), p. 41-58.

KENKEL, K. M (2011). Military-Military Cooperation, Regional Integration and Training for Peacekeeping Operations: Brazil and the Southern Cone. In: Fürst, Henrik; Kümmel, Gerhard. (Org). Core Values and the Expeditionary Mindset: Armed Forces in Metamorphosis. Baden-Baden: Nomos, p. 149-163.

KENKEL, K. M (2012). O dilema interno da soberania: a evolução das normas de intervenção. In KENKEL, Kai Michel; MORAES, Rodrigo Fracalossi (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação. Brasília: IPEA, p. 19-48

KENKEL, K. M (2015). Interests, Identity and Brazilian Peacekeeping Policy. In: Brooke, A. S. W. (Org.). Enduring NATO, Rising Brazil: Managing International Security in a Recalibrating Global Order. 1ed.Roma: NATO Defense College, p. 83-118.

KENKEL, K. M (2016). Peace and the Emerging Countries: India, Brazil, South Africa. In: Richmond, O., Pogodda, S., Ramovic, J. (Org.). The Palgrave Handbook of Disciplinary and Regional Approaches to Peace. 1ed.Houndsmills: Palgrave MacMillan, p. 376-386.

KENKEL, K. M (2016). Peace Operations. In: Sandy Maisel. (Org.). Oxford Bibliographies in Political Science. 1ed.Oxford: Oxford University Press.

KENKEL, K. M. (2008), ” Canada and Brazil in Haiti : passing the military torch, but what of the moral ? “, Focal Point, 7(7),  p. 5-6.

KENKEL, K. M. (2009). “Global player” ou espectador nas margens? A “Responsabilidade de Proteger”: Definição e Implicações para o Brasil. Revista da Escola de Guerra Naval (Ed. português), v. 12, p. 6-57.

KENKEL, K. M. (2009). Civil-military interaction and Latin American troop contributors: a comparative perspective. In: HAMANN, E.P. (org.) Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p. 110-114.

KENKEL, K. M. (2010). Das verteidigungspolitische Erbe Lulas: Blauhelme und ?Blauer Amazonas? (A herança de Lula na política de defesa: capacetes azuis e ‘Amazônia Azul’. Tópicos (Bonn), p. 14-15.

KENKEL, K. M. (2010). New missions and emerging powers: Brazil’s involvement in MINUSTAH. In Leuprecht, Christian; Troy, Jodok; Last, David. (Org.). Mission Critical: Smaller Democracies’ Role in Global Stability Operations. 1aed.Kingston/Montréal: McGill-Queen’s University Press,  p. 125-148.

KENKEL, K. M. (2010). Operações de Paz e Controle Civil. In Nasser, Reginaldo Mattar. (Org.). Novas perspectivas sobre os conflitos internacionais. São Paulo: Editora UNESP, p. 89-98.

KENKEL, K. M. (2010). Operações de paz, democracia, e ajuda humanitária na política externa brasileira recente: as escolhas de uma potência emergente. Cadernos ADENAUER, v. 4, p. 24-33.

KENKEL, K. M. (2012). O peso do passado e o significado da responsabilidade: a Alemanha e as operações de paz. In KENKEL, Kai Michel; MORAES, Rodrigo Fracalossi (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação. Brasília: IPEA, p. 159-182.

KENKEL, K. M. (2013). Brazil as an International Security Actor. International Security: a European-South American Dialogue, v. 10, p. 107-120.

KENKEL, K. M. (2013). Diversity within a common culture: South America and peace operations. In KENKEL, K. M. (Org.). South America and Peace Operations: Coming of Age, 1 ed., London: Routledge, p. 1-22.

KENKEL, K. M. (2013). Out of South America to the globe: Brazil’s growing stake in peace operations. In KENKEL, K. M. (Org.). South America and Peace Operations: Coming of Age, 1 ed, London: Routledge, p. 85-110.

KENKEL, K. M. (2013). Securing South America’s peace operations acquis post-MINUSTAH. In KENKEL, K. M. (Org.). South America and Peace Operations: Coming of Age, 1 ed. London: Routledge, p. 188-202.

KENKEL, K. M. (2013). South America and Peace Operations: Coming of Age. 1a. ed. London: Routledge, v. 1. 244p.

KENKEL, K. M. (2019). Growing Participation in Peace Operations and Conflict Resolution in Latin American Countries. In: Harry E. V; Prevost, G. et al. (Org.). Oxford Research Encyclopedia of Politics. 1ed.Oxford: Oxford University Press.

KENKEL, K. M. (2019). Rising Powers and Peacebuilding. In: Richmond, O. P.; Visoka, G. (Org.). Oxford Handbook of Peacebuilding, Statebuilding, and Peace Formation. 1ed.Oxford: Oxford University Press.

KENKEL, K. M. Brazil. (2013). Brazil. In Bellamy, A; Williams, P. D. (org), Providing Peacekeepers: The Politics, Challenges, and Future of United Nations Peacekeeping Contributions. 1ed.Oxford: Oxford University Press, p. 335-354.

KENKEL, K. M.; CUNLIFFE, P (2016). Rebels or aspirants: rising powers, normative contestation and intervention. In: Kenkel, K. M.; Cunliffe, P. (Org.). Brazil as a Rising Power: Intervention Norms and the Contestation of Global Order. 1ed.London: Routledge, p. 1-20.

KENKEL, K. M.; MARCONDES Neto, D.; Ribeiro, M. M. L. A. Peace Operations, Intervention and Brazilian Foreign Policy: Key Issues and Debates. In: Esteves, P.; Jumbert, M.G.; Carvalho, B. (Org.). Status and the Rise of Brazil. 1ed.: Springer International Publishing, 2020, v. p. 133-151.

KENKEL, K. M.; MORAES, R. F. (2012). Introdução. In KENKEL, Kai Michel; MORAES, Rodrigo Fracalossi (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação. Brasília: IPEA, p. 11-17.

KENKEL, K. M.; MORAES, R. F. (2012). O Brasil e as operações de paz em um mundo globalizado: entre a tradição e a inovação. 1. ed. Brasília: IPEA, v. 1. 323p.

KUELE, G. e CEPIK, M. A. (2017) “Intelligence Support to MONUSCO: Challenges to Peacekeeping and Security”. The International Journal of Intelligence, Security, and Public Affairs, v.19, n.1, p.44-68.

KUELE, G., CEPIK, M. A. C. (2015). Inteligência em Operações de Paz da ONU (1945-2000)Carta Internacional10(1), p. 21-38.

KUHLMANN, P. R. L; SILVA, L. N. (2018). Ubuntu e Reconciliação: Estratégias Artísticas para a Construção da Paz na África do Sul Pós-Apartheid. Revista de Estudos Internacionais, 9 (3), p. 68-85.

LANNES, U. L. P. (1998). O Brasil e as Operações de Manutenção da Paz. In: O Brasil e as Novas Dimensões da Segurança Internacional. São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.

LEONEL FILHO, J. (2017). Operações de manutenção da paz da ONU: a eficácia do emprego dos contingentes de tropas no Timor Leste, na República Democrática do Congo e no Haiti. Jornal da Escola de Guerra Naval, 0(15), 59-77.

MACEDO, G (2018). Artigo: O que significa evocar a ‘responsabilidade de proteger’ na Venezuela. O Globo, 19 dez 2018.

MACEDO, G. C.; SILVEIRA, K. V. R. (2019). Cruz Report: conteúdo e críticas. Conjuntura Internacional, 15(3), 18.

MACIEL, T. M.; LEAL, B. (2019). As gerações de paz da ONU a partir de uma mirada pós-colonial. Revista Brasileira de Estudos Estratégicos, 11 (21).

MARCONDES NETO, D. (2009). Participação sul-americana em operações de paz: um estudo de caso da participação dos países do Cone Sul na MINUSTAH. Revista Eletrônica Boletim do Tempo, v. 4, n. 3.

MARCONDES NETO, D. (2010). Operações de Paz e Cooperação Regional: O Brasil e o Envolvimento Sul-Americano na MINUSTAH. Revista da Escola de Guerra Naval, 15.ed, Rio de Janeiro.

MARCONDES NETO, D. (2012). O Brasil, o Haiti e a MINUSTAH. In KENKEL, Kai Michel; MORAES, Rodrigo Fracalossi (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação. Brasília: IPEA, p. 243- 268.

MARCONDES NETO, D. (2013). Regional Defense Integration and Peacekeeping Cooperation in the Southern Cone. In: KENEL, Kai Michel (Edited by). South America and Peace Operations – Coming of Age. Nova York, Routledge.

MARCONDES NETO, D. (2015). Os Dez Anos da MINUSTAH: um olhar sobre a participação sul-americana. In: HAMANN, E. P. (2015). Brasil e Haiti: reflexões sobre os 10 anos de missão de paz e o futuro da cooperação pós-2016. Edição especial (Coletânea de Artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé.

MARCONDES NETO, D.; Síman, M.; SANTOS, R. O. (2019). South-South Cooperation and Training for Peacekeeping Participation – Expertise and Status in Brazil’s Involvement in Africa and Latin America. Journal of International Peacekeeping, v. 21, p. 197-223.

MARTUSCELLI, P. N.; RINALDI, A. L (2017). Evitando que “protetores se tornem predadores”: a ONU pode impedir a prática de abuso e exploração sexual por membros de missões de paz das Nações Unidas?. Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD, Dourados, 6 (11), p. 215-249.

MATIJASCIC, V. B. (2010). Um estudo de caso sobre a evolução da decisão pelo uso da força durante a primeira operação de manutenção de paz das Nações Unidas no Haiti (1993-1996). CMM/PADECEME 2º Quadrimestre de 2008. – Coleção Meira Mattos: Revista das Ciências Militares, n. 22.

MATIJASCIC, V. B. (2014). Operações de manutenção de paz das Nações Unidas: Reflexões e debates. São Paulo: Editora UNESP.

MELO NETO, S. C. de A. (2015). A participação policial brasileira na MINUSTAH. In: HAMANN, E. P. (2015). Brasil e Haiti: reflexões sobre os 10 anos de missão de paz e o futuro da cooperação pós-2016. Edição especial (Coletânea de Artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé.

MELO NETO, S. C. de A., e MELO, A. S. C. de A. (2011). The Brazilian PMDF and United Nations Peace Operations: A Brief History and Future Perspectives. In: Latin America and Peace Operations: Partners and Perspectives. Canada. The Pearson papers, volume 13, 2011.

MELO NETO, S. C. de A.; COSTA, I. S. (2010). “Características e competências essenciais aos policiais das Nações Unidas (UNPOL) nas Operações de Paz.” Revista Eletrônica Boletim do Tempo 5, no. 8, p. 1–23

MELO, R. (2016). Direitos Humanos e as Operações de Paz Multidimensionais: Um Estudo de Caso da MONUC. Carta Internacional, 5(1), 78-96.

MENDONÇA, M. V. (2017). Brasil no Haiti: um caso de sucesso. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 58-67.

METZNER, B. (2019). O Relatório Nyakhat como resposta institucional aos casos de abuso e exploração sexual em Operações de Paz das Nações Unidas. Revista de Estudos Internacionais, 10 (3).

MIRANDA, A. L. N. (2017). A pacificação de Bel Air. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 51-57.

MIYAMOTO, S. (2008). A Política Externa Brasileira e as Operações de Paz. Revista Brasileira Estudos Políticos, v. 98, p. 361-394.

MONTENEGRO, R. H. (2018). Da Indiferença ao Engajamento: a participação da China em operações de paz das Nações Unidas. Carta Internacional, 13(1).

MORAES, R. F (2012). Operações de paz e comércio de armas: governança e “desgovernança” internacional na gestão de conflitos. In KENKEL, Kai Michel; MORAES, Rodrigo Fracalossi (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação.Brasília: IPEA, 2012, p. 70-93.

MOREIRA, L. (2010). Combate de Paz. São Paulo: Baraúna.

MORENO, M.; CHAGAS, C.; GOMES, Maíra Siman (2014). Improvising the Liberal Peace Model: a Postcolonial View on the UN Mission in Haiti (MINUSTAH). In: Bruno Charbonneau, Tony Chafer (Org.). Peace Operations in the Francophone World: Global Governance meets Postcolonialism. 1 ed. New York: Routledge, p. 168-185.

NAPOLEÃO, T.; KALILL, M. (2015). Stabilization as the securitization of Peacebuilding? The experience of Brazil and MINUSTAH in Haiti. Brasiliana – Journal for Brazilian Studies, 3(2), 87-112.

NASCIMENTO, T. E. (2014). A constituição de forças de paz combinadas por nações da América do Sul: um compromisso com a paz e a segurança internacional. Coleção Meira Mattos: revista das ciências militares, v. 8. n. 33.

NASSER, F (2012). Pax brasiliensis: Projeção de poder e solidariedade na estratégia diplomática de participação brasileira em operações de paz da Organização das Nações Unidas. In KENKEL, Kai Michel; MORAES, Rodrigo Fracalossi (orgs). O Brasil e as Operações de Paz em um Mundo Globalizado – Entre a tradição e a inovação. Brasília: IPEA.

NEVES, L. P. (2014). Novas abordagens para a Segurança Internacional: caminhos para a Responsabilidade de Proteger. Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD, Dourados, 2(4), p. 100-130.

NUNES, J. R. V. (2015). Treinamento do Batalhão Brasileiro desdobrado na MINUSTAH: consolidação de um modelo. In: HAMANN, E. P. (2015). Brasil e Haiti: reflexões sobre os 10 anos de missão de paz e o futuro da cooperação pós-2016. Edição especial (Coletânea de Artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé.

OKADO, G. (2017). A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados e a MINUSTAH: entre a resistência inicial e a abdicação. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 92-

OLIVEIRA JUNIOR (2010), A.; GÓES, F. L. A presença brasileira nas operações de paz das Nações Unidas. Texto para discussão 1516. Rio de Janeiro: IPEA.

OLIVEIRA, G. C (2011). International intervention against piracy in Somalia’s coast: naval peacekeeping?. Relações Internacionais (RI), (31), 99-115.

OLIVEIRA, G. C. (2009). Relações entre civis e militares nas operações de paz“, e-cadernos CES [Online], 06.

Oliveira, G. C. (2020). O conceito de estabilização: implicações no campo das operações de paz contemporâneas. Carta Internacional, 15(2).

OLIVEIRA, G. M.; HIRATA, N (2020). Contribuições das operações de paz para política internacional: reflexões a cerca do preparo de tropa para atuar em missões internacionais. In: MAKINO, R. (org). Relações internacionais: análises das duas primeiras décadas do século XXI, 1.ed. [org.] 1.ed. – Curitiba, PR: Bagai, p. 23-35.

PACHECO, F. C. (2013). O Brasil na MINUSTAH influenciando o Brasil no cone sul: evidências preliminares da contribuição da diplomacia militar à inserção soberana. Coleção Meira Mattos: revista das ciências militares, v. 7, n. 29.

PACHECO, F. C.; ARRUDA, A. S. B.; SANTANA FILHO, M. B; CASSIANO, A. L. V.; MUXFELDT, R. A.; CASTRO, E. V; GONÇALVES, D. M; DA COSTA, L. A. V. (2013). A interação militar ao ambiente interorganizacional de uma missão de paz: o estudo da MINUSTAH. Coleção Meira Mattos: revista das ciências militares, v. 7. n. 28.

PAGOT, R.; ERNST, K. P. (2019). Implicações práticas das Missões de Paz Híbridas: um estudo comparado entre UNAMID e UNAMIR. Conjuntura Internacional, 16(1), 18.

PALMA, N. N. (2015). A Manutenção da Paz (no Haiti) e a Justiça (no Brasil): uma reflexão sobre o impacto da MINUSTAH no sistema jurídico militar brasileiro. In: HAMANN, E. P. (2015). Brasil e Haiti: reflexões sobre os 10 anos de missão de paz e o futuro da cooperação pós-2016. Edição especial (Coletânea de Artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé.

PALMA, N. N. (2017). Diagnóstico penal militar do peacekeeper brasileiro no Haiti. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 85-91.

PARENTI, M. C. (2018). Mali: A Operação de Paz da ONU e a Situação de Segurança no País. Observatório de Conflitos Internacionais, v. 5, n. 2, pp. 1-9.

PARENTI, M. C.; PAULA, L. D. (2019). Coordenação Civil-Militar em Operações de Paz da Organização das Nações Unidas: características e desafios. Revista de Estudos Internacionais, v. 10, n. 3

PENA, R. (2009). Brahimi+10: an approaching decade of political challenges and the echoing lessons from the UN Transitional Administration of East Timor. Carta Internacional, 4(1), 46-51.

PENNA FILHO, Pio (2004). Segurança seletiva no pós-Guerra Fria: uma análise da política e dos instrumentos de segurança das Nações Unidas para os países periféricos – o caso africano. Rev. bras. polít. int. [online]. 47 (1), p.31-50.

PERGHER, H.; PAGIARI, G. C (2015). Democracia e Guerra na América do Sul – os avanços e os limites da defesa da democracia na busca pela paz. Coleção Meira Mattos: revista das ciências militares, v. 9, n. 35.

PESSÔA, P. A. (2009). “Preparing for Integrated Peace Operations – Planning and Training”. In: HAMANN, E.P. (org.) (2009). Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p. 56-58.

Pinheiro, A. P. (2011). “A Atuação do Batalhão Brasileiro Após o Terremoto do Haiti.” Military Review, 66 (1), 31-37.

Piragibe, C. V. S (2014). A participação Brasileira Na construção Da Paz Em Guiné-Bissau. Meridiano 47 – Journal of Global Studies, 15 (146), p. 27-34.

PROENÇA JUNIOR, D. (2002). O enquadramento das Missões de Paz (PKO) nas teorias da guerra e de polícia. Rev. bras. polít. int. [online]. 45 (2), p.147-197.

REBELO, T. R. (2013). O equilíbrio de gênero nas operações de paz: avanços e desafios. Revista Estudos Feministas, 21(3), 817-837.

RESENDE, S. M. V. (2019). Reflexos de limitações institucionais: a questão de gênero na MINUSTAH. Revista de Estudos Internacionais, 10(2).

REZENDE, L. P (2012). O engajamento do Brasil nas Operações de Paz da ONU: Análise dos efetivos enviados e recomendações para o fortalecimento da inserção internacional brasileira. Curitiba: Appris.

REZENDE, L. P; AZEVENDO, C. A. L. de. (2011). Sobre o Sistema de Segurança Coletiva e a legitimidade das Operações de Paz da ONU. Carta Internacional, 6(1), 23-38.

REZENDE, L. P. (2011). A Mobilização para as Operações de Paz da ONU como instrumento de fortalecimento do Estado Argentino Pós-Redemocratização. Revista De Estudos E Pesquisas Sobre As Américas, 5(1), 45-65.

RIBEIRO, K. P (2017). What’s next? Mali: an overview for Brazilian peacekeeping. ALCOPAZ Magazine. Rio de Janeiro: CCOPAB. 

RIBEIRO, K. P (2020). Operações de Paz. Revista Paranaense de Desenvolvimento, v. 40, p. 99-100.

RIBEIRO, K. PCARVALHO, H.O.; PORTELLA JR., J.C. (2017). O papel das mulheres na reconstrução de sociedades pós-conflitosRelações Internacionais no Mundo Atual, v.1, n.23, UNICURITIBA.

RIBEIRO, K. P. (2019). Human Rights and Building Integrity in Latin America Police. The Coespu Magazine, v. 4, p. 44-51.

RIBEIRO, K. P.; BRAGA, M. A. (2020) . Community engagement and strategic advising: effectiveness through people oriented appro- ach – case study using a gender perspective with military teams engaged in a UN mission. The Coespu Magazine, v. 1, p. 18-24.

RIBEIRO, K. P.; NASCIMENTO, L. A. (2020). A Agenda Mulheres, Paz e Segurança e a Participação de Mulheres na Mediação Internacional. Revista Paranaense de Desenvolvimento, v. 40, p. 141-155,

RIBEIRO, K. P.; NOGAROLLI, G. G. (2019) . O recrutamento de crianças soldado em conflitos armados: uma análise sob a perspectiva do Direito Internacional Humanitário. Ccopab e Operações de Paz: Perspectivas, Reflexões E Lições Aprendidas, v. 1, n 2, p. 59-74.

RIBEIRO, K. P.; ZENONI, M.T. (2017) A epistemologia política da Organização das Nações Unidas: as missões de paz e a democracia deliberativa de Jürgen Habermas. Relações Internacionais no Mundo Atual, v.1, n.23, UNICURITIBA.

RIBEIRO, M. M. L. A. (2020). R2P and the Pluralist Norm-shapers. Contexto Internacional, 42(1), p. 9-29.

ROCHA, A. J. R. (2009). Política externa e política de defesa no Brasil: Civis e militares, prioridades e a participação em missões de paz. e-cadernos CES [Online], 06.

ROCHA, A. J. R. da (2009). Civil-Military Cooperation in Peacekeeping Operations: A South-American Perspective. In: HAMANN, E.P. (org.) (2009). Revisiting Borders between Civilians and Military: Security and Development in Peace Operations and post-conflict situations. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer; p. 88-100.

RODRIGUES, A. de O.; MIGON, E. X. F. G. (2017). O papel do Brasil na evolução das Operações de Paz. Carta Internacional, 12(3), 77-103.

RONCOLATTO, C. (2010). Porto Purgatório. São Paulo: Baraúna.

RUPPENTHAL, T. (2007). Um soldado brasileiro no Haiti – depoimento a Ricardo Lísias. São Paulo: Globo.

SAINT-PIERRE, H. L.; BIGATÃO, J. P. (2013). As operações de Paz da ONU e os Atores Regionais. Meridiano 47 – Journal of Global Studies, 14 (140), p. 26-33.

SANTOS, C. (2019). Segurança internacional e cuidado: uma reflexão sobre as missões de paz sob uma perspectiva da ética feminista do cuidado. Revista de Estudos Internacionais, 10(3).

SCHWETHER, N. (2020). Mulheres, paz e segurança na América do Sul: o processo de implementação de uma agenda chave. Conjuntura Austral, 11(56), p. 94 – 108.

SCORTEGAGNA, G.; RIBEIRO, J (2019). Brasil, um líder legitimo: rumo ao assento permanente no CSNU mediante Operações de Paz. Revista da Escola de Guerra Naval. 25(2) .p 492-516.

SCORTEGAGNA, G.; RIBEIRO, J (2019). Operações de Paz à la OTAN: Uma visão comparativa do Direito Internacional. In: Direito Internacional em Expansão: direito internacional e direito comparado. 1ed.Belo Horizonte: Arares, v.17, p. 798-819.

SEABRA, P., MARCONDES, D. (2021). In and Out and Out Again: The Travails of Brazil as a Security Provider in Africa. In: Alencastro M., Seabra P. (eds) Brazil-Africa Relations in the 21st Century. Springer, Cham.

SEITENFUS, R. (2006). De Suez ao Haiti: a participação brasileira em operações de paz.

SEITENFUS, R. (2006). Elementos para uma Diplomacia Solidária: a Crise Haitiana e os Desafios da Ordem Internacional Contemporânea. Carta Internacional, 1 (1), p. 5-12.

SILVA, A. R. A.; BRAGA, C. C. V; MARCONDES, D (2017). The Brazilian participation in UNIFIL: raising Brazil’s profile in international peace and security in the Middle East?. Rev. Bras. Polít. Int. [online]. 60(2), e011.

SILVA, J. M. R. (2018). Estratégia alternativa para a crise na República Centro-Africana: o estabelecimento de uma força africana permanente de paz. Revista Brasileira de Estudos Africanos | Porto Alegre | v. 3, n. 6, Jul./Dez. 2018 | p. 9-22.

SILVA, J. M. R. (2019). A contribuição da polícia das Nações Unidas para a proteção de civis no Sudão do Sul. Conjuntura Austral, [S.l.], v. 10, n. 50, p. 84 – 97, jul. 2019. ISSN 2178-8839. Disponível em:

SIMAN, M; SANTOS, V. (2018). Interrogating the security-development nexus in Brazil’s domestic and foreign pacification engagements. Conflict, Security and Development, v.18, p.61-83.

SOARES, M. A. (2018). Domínio de paz humanitarista pós-1945: ONUC E MINUSTAH. Revista de Estudos Internacionais, v. 9, n. 3 (2018).

SOARES, O. A. B; LIMA, J. R. P. A.; CAMPOS, H. C.; BARROS, R. S (2013). A medicina veterinária militar brasileira em operações de paz: experiências colhidas na Missão da Organização das Nações Unidas para Estabilização do Haiti. Coleção Meira Mattos: Revista das Ciências Militares. V. 7, n. 29.

STOCHERO, T. (2010). DOPaz: como a tropa de elite do Exército brasileiro pacificou a favela mais violenta do Haiti. Rio de Janeiro: Objetiva.

TEIXEIRA, C. A. M.; SILVA, G. T. M. B (2007). “A Participação da Engenharia Militar Brasileira na Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti – MINUSTAH.” Military Review, 87 (3), 32-38.

TEIXEIRA, C. A. R. (2017). Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil: história e perspectivas pós-MINUSTAH. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 25-35.

TOLEDO, A. FACCHINI, J. (2017). Da transformação de conflitos à paz híbrida: uma análise das ideias de John Paul Lederach e Roger Mac Ginty. Rev. Bras. Est. Def. 4 (2), p. 153-174.

UZIEL, E. (2009). O Conselho de Segurança, as missões de paz e o Brasil no mecanismo de segurança coletiva das Nações Unidas. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão.

UZIEL, E. (2015). O Conselho de Segurança, as missões de paz e o Brasil no mecanismo de segurança coletiva das Nações Unidas. 2ª ed. Brasília, DF. Fundação Alexandre de Gusmão, 2015.

UZIEL, E.; VARGAS, J. A. C. (2015). Twenty Years Wandering (But Not in the Desert): Brazil’s 1967-1989 absence from UN peacekeeping. Brasiliana – Journal for Brazilian Studies, 3(2), 6-31.

UZIEL, E.; VARGAS, J. A. C. (2018). A política do financiamento das operações de manutenção da paz. Coleção Meira Mattos: revista das ciências militares, 12 (15).

VALES, T. P. (2011). Operações De Paz Como Incentivo ao Profissionalismo das Forças Armadas. Meridiano 47 – Journal of Global Studies 12 (128), 34-43.

VALES, T. P. (2012). A Cultura Da Paz E Operações De Apoio à Paz Das Nações Unidas. Meridiano 47 – Journal of Global Studies 13 (132), p. 3-11.

VEIGA, V. T. (2019). Da UNEF à MONUSCO e além: as operações de paz da ONU e o uso da força autorizado pelo Conselho de Segurança. Revista de Estudos Internacionais. 10(3), p. 8-26.

VIEIRA NETo, F. P. (2017). Epopeia militar brasileira no Haiti. In: HAMANN, E. P.; TEIXEIRA, C. A. R. (2017). A participação do Brasil na MINUSTAH (2004-2017). Edição especial (Coletânea de artigos). Rio de Janeiro: Instituto Igarapé, p. 16-24.

VILLA, R.; JENNE, N. (2020). By all necessary means? Emerging powers and the use of force in peacekeeping. Contemporary Security Policy, 41:3, 407-431, DOI: 10.1080/13523260.2019.1698691.

VIVEIROS, D. (2019). Contrastes da Liderança Brasileira em Operações de Paz e Ações Humanitárias: um olhar a partir do Conselho de Defesa Sul-Americano. Conjuntura Internacional, 15(3), p. 38-48.